T M I - DRY NEEDLING

image (5).png

 Dry-needling: conceitos, história e suas aplicações no manejo da dor miofascial.

*Gilberto Antônio da Costa Júnior

*Fisioterapeuta Quiropraxista, Diplomado em RTO, Doutorando em Ciências Biomédicas.

Design sem nome.jpg

Dry-Needling ou Agulhamento Seco: é uma técnica desenvolvida no ocidente, utilizada para o tratamento da dor miofascial que se popularizou nas ciências da saúde, principalmente na fisioterapia. Porém, pacientes, e até mesmo alguns profissionais, não a compreendem amplamente, desconhecendo sua origem, contexto fisiopatológico, bases neurofisiológicas e indicações de tratamento, confundindo-a com acupuntura, uma técnica da medicina chinesa/oriental, bastante difundida, mas, com raciocínio e métodos de avaliação/tratamento diferentes da técnica ocidental. O objetivo desse texto é revisar a literatura afim de esclarecer alguns tópicos e conceitos fundamentais da técnica, mas sem pretensões de desenvolver um trabalho sistemático, sendo, portanto, um texto mais leve, mas não menos pragmático.

 

 

 

 

 

Analisando a história, nos deparamos com o ano 1938, quando o Prof. John Kellgren, aplicando pressão mantida em músculos, observou que era possível identificar pontos sensíveis e reproduzir a dor que incomodava os pacientes. Para eliminá-las, Kellgren, injetava medicamentos analgésicos, iniciando um modelo de avaliação e tratamento de uma patologia/disfunção ainda não muito bem compreendida. Mais tarde, em 1942, Drª Janet Travell propôs o uso de injeções com substâncias analgésicas e anti-inflamatórias para tratar esses mesmos pontos, batizados por ela de pontos gatilho miofasciais (PGM). Assim nascia o entendimento de um fenômeno clínico patológico de origem muscular, pouco compreendido histológica e fisiologicamente, porém clinicamente detectável e tratável com infiltração de fármacos. A mudança no paradigma do tratamento com agulhas ocorre em 1979, quando Karel Lewit, publica resultados demonstrando os benefícios do agulhamento, sem injetar quais quer substâncias, para o controle da dor miofascial, o qual denominou: “needle effect” (efeito agulha), justificando que o controle da dor acontecia quando a agulha penetrava o ponto gatilho – de forma profunda - e que, a melhora, não tinha qualquer relação com analgésico ou anti-inflamatório aplicado nas injeções. Contudo, o artigo não explicava como ou porquê o fenômeno acontecia.

O modelo de agulhamento profundo era o único praticado até 1980, quando o Dr. Peter Baldry, com medo de provocar pneumotórax em seus pacientes, desenvolveu uma forma alternativa de agulhar os pacientes, sem necessidade de respostas de contração muscular e de aprofundamento da agulha. A técnica se baseava no tempo, geralmente 30 min, para criar efeitos circulatórios reflexos, ou até mesmo mecanismos reflexos de inibição da dor. Segundo suas observações, 90% dos pacientes melhoravam com agulhamento superficial e apenas 10% necessitariam de agulhamento profundo. Porém, novamente as explicações dos mecanismos por trás dos fenômenos não eram satisfatórias.

Concebida, principalmente, para controle da dor e normalização da função muscular, o agulhamento a seco tem um objetivo específico, inativar PGM. É importante entendermos do que estamos falando e como esses pontos são formados. Definido como ponto hiper irritável, altamente localizado e palpável dentro de uma banda tensa das fibras musculoesqueléticas, os PGM podem estar ativos (espontaneamente dolorosos e sintomáticos) ou latentes (não dolorosos espontaneamente), porém, ambos ativam nociceptores musculares que, ao serem hiper estimulados, iniciam alterações reflexas promovendo rigidez muscular, diminuição de força e limitação da amplitude de movimento (ADM), além de alterações sensitivas e autonômicas (alterações na temperatura da pele, sudorese, atividade pilomotora). Esse fenômeno pode acontecer nos músculos apendiculares e axiais, contudo, quando o processo acontece nos paravertebrais os músculos axiais podem entrar em sofrimento. Uma vez com rigidez e encurtamento os paravertebrais aumentam a pressão Intradiscal, impactam as articulações facetarias, diminuem o espaço foraminal sensibilizando a raiz nervosa, que por sua vez, estimulam o corno posterior e anterior da medula criando uma resposta contrátil de proteção, encurtando ainda mais os músculos inervados por esses segmentos, formando um ciclo vicioso. Músculos como ECOM, escalenos, quadrado lombar e Iliopsoas podem ter o mesmo efeito dos paravertebrais. Esse ciclo de estímulo dos nociceptores e contínuas respostas reflexas afetam os sistemas nervosos periférico e central, sendo denominado sensibilização.

O processo de sensibilização ocorre, num primeiro momento com a inflamação muscular produzida pela isquemia, fruto da vasoconstrição subsequente ao excesso de tensão das fibras musculares com PGM. O excesso de contração acontece quando actina e miosina, estimuladas pela grande quantidade de íons Ca++ livre no sarcolema, formam pontes cruzadas e deslizam seus filamentos encurtando as miofibrilas. Essa liberação pode ser por ruptura de fibras musculares e dos seus retículos sarcoplasmáticos, ou por excesso de atividade na placa neuromotora (o botão terminal apresenta excesso de acetil colina, seja por falta de acetilcolinesterase, por excesso de receptores colinérgicos nicotínicos, pela combinação dos dois, ou ainda por excesso de potencial de ação disparados do neurônio motor, sensibilizado por uma síndrome facetaria ou estenose do forame neural). Com o aporte sanguíneo diminuído a mitocôndria reduz a produção de ATP pelo ciclo aeróbio, dependente de oxigênio e glicose, recorrendo ao anaeróbio, que disponibiliza uma quantidade insuficiente de ATP, molécula fundamental para liberação dos sítios de ligação dos monofilamentos (o sítio de ligação entre actinica e miosina só é liberado mediante a quebra da molécula de ATP). A isquemia local e contratura das fibras musculares inicia o processo de inflamação/sensibilização. 

Embora o mecanismo exato do efeito terapêutico do dry needling permaneça desconhecido, a analgesia promovida pela técnica é aceita. É possível que o movimento rápido da agulha em um PGM possa estimular as fibras aferentes sensoriais de grande diâmetro ascendendo até níveis superiores que modulam ações descendente supraespinhais de inibição da dor. Alguns estudos demonstraram diminuição da atividade da placa neuromotora após agulhamento, sugerindo que o fenômeno ocorre por ruptura da integridade da placa terminal disfuncional, ou por esgotamento dos níveis de acetilcolina na fenda sináptica. Outros consideraram a possibilidade de uma rápida queda na liberação de substâncias químicas, como a substância P e o peptídeo relacionado ao gene da calcitonina (CGRP) diminuindo a sensibilização periférica e interrompendo o ciclo dor/espasmo/dor. Curiosamente o agulhamento a seco tem demonstrado aumentos na circulação local mesmo sem produção de LTR, sendo relatado na literatura aumento de 72% do fluxo sanguíneo local no trapézio em comparação com os níveis basais após 15 min de exposição ao agulhamento seco em indivíduos saudáveis. Em outros estudos, o fluxo sanguíneo aumentou com agulhamento de maneira dose-dependente e permaneceu elevado por 60 min sem o relato de LTR. O fenômeno pode ser explicado pela liberação de CGRP e substância P após agulhamento o que pode iniciar uma cascata de vasodilatadores, mediada pelo CGRP, assim como pelo óxido nítrico, que pode levar a um efeito de lavagem local seguido de controle inflamatório. Alternativamente, o CGRP e substância P podem fornecer feedback negativo aos autorreceptores, em última análise, diminuindo a liberação de CGRP e substância P. Há também evidências de que a liberação simultânea de substância P pode reduzir os níveis periféricos de CGRP, sendo interessante uma vez que ele atua como propagador da inflamação quando liberado em grandes quantidades, mas quando encontrado em baixas quantidades possui potentes ações anti-inflamatórias.

Em outra perspectiva, é importante apontar que patologias de origem não muscular como a disfunção da articulação facetária podem contribuir para a formação de PGM. Essa hipótese é razoável quando observamos clinicamente que bloqueios facetários e manipulação da coluna vertebral demonstram diminuir a atividade da placa terminal e a dor relacionadas aos pontos gatilho. Vale salientar que alterações nas propriedades viscoelásticas da fáscia e deficiências biomecânicas também parecem estar relacionados com a formação e propagação de PGM. Logo, não parece razoável tratar uma síndrome miofascial apenas na periferia, pois agulhando apenas o músculo em disfunção pode-se não alcançar os resultados almejados, talvez aliviar a dor a curto prazo, reduzindo hiperexcitabilidade muscular, mas os resultados a longo prazo provavelmente não seriam alcançados se a etiologia subjacente da condição for algo além do tecido muscular.

Por último, mas não menos importante, é necessário entender que diferentes partes do córtex cerebral como tálamo, hipotálamo e sistema límbico estão envolvidos na facilitação ou inibição da dor. Logo, uma avaliação mais complexa, analisando mudanças comportamentais diante da dor, alterações do sistema nervoso central e periférico, buscando compreender como surgiu o PGM no paciente, compreendendo a história pregressa do paciente, biomecânica da lesão – caso exista, aprofundando a investigação na anamnese, pode ser o caminho para um tratamento de êxito.

 

BIBLIOGRAFIA:

Abbaszadeh-Amirdehi M, Ansari NN, Naghdi S, Olyaei G, Nourbakhsh MR. The neurophysiological effects of dry needling in patients with upper trapezius myofascial trigger points: study protocol of a controlled clinical trial. BMJ open 2013

Bolel K, Hizmetli S, Akyuz A. Sympathetic skin responses in reflex sympathetic dystrophy. Rheumatology international 2006. 26: 788-791. doi: 10.1007/s00296-005-0081-4

Chang CW, Chang KY, Chen YR, Kuo PL. Electrophysiologic evidence of spinal accessory neuropathy in patients with cervical myofascial pain syndrome. Archives of physical medicine and rehabilitation 2011 92: 935-940. doi: 10.1016/j.apmr.2011.01.010

Chen JT, Chung KC, Hou CR, Kuan TS, Chen SM, Hong CZ. Inhibitory effect of dry needling on the spontaneous electrical activity recorded from myofascial trigger spots of rabbit skeletal muscle. American journal of physical medicine & rehabilitation / Association of Academic Physiatrists 2001 80: 729-735.

Chung JW, Ohrbach R, McCall WD Effect of Increased Sympathetic Activity on Electrical Activity from Myofascial Painful Areas. American Journal of Physical Medicine & Rehabilitation 2004 83: 842-850. doi: 10.1097/01.phm.0000143399.34798.a7

Cummings TM, White AR. Needling therapies in the management of myofascial trigger point pain: a systematic review. Archives of physical medicine and rehabilitation 82: 986-992. doi: 10.1053/apmr.2001.24023

Dommerholt J, Mayoral del Moral O, Gröbli C. Trigger point dry needling. Journal of Manual & Manipulative Therapy, 2006. 14: 70E-87E

Edwards J, Knowles N. Superficial dry needling and active stretching in the treatment of myofascial pain--a randomised controlled trial. journal of the British Medical Acupuncture Society, 2003. 21: 80-86

Gerwin RD, Dommerholt J, Shah JP.  An expansion of Simons' integrated hypothesis of trigger formation. Current pain and headache reports, 2004. 8(6):468-75

Gunn, C. Radiculopathic pain: diagnosis and treatment of segmental irritation or sensitization.  Journal of Musculoskelatal Pain, 1997. 5(4): p. 119-134

Gunn, C. Neuropathic myofascial pain syndromes. Loesner JD. Bonica’s Management of Pain. 3rd ed. Baltimore,  Md: Lippincott Williams & Wilkins, 2000

Hubbard DR.  Chronic and recurrent muscle pain: pathophysiology and treatment, and review of pharmacologic studies. Journal of Musculoskelatal, 1996. Pain 4: 123-144

Kietrys DM, Palombaro KM, Mannheimer JS.  Dry needling for management of pain in the upper quarter and craniofacial region. Current pain and headache reports, 2014. 18: 437. doi: 10.1007/s11916-014-0437-0

Kostopoulos DC, Rizopoulos KD. The manual of Trigger point and myofascial therapy. Thorofare, NJ: Slack Publications; 2001

Lee JH, Lee JH, Shin HS, Yoon CH, Oh MK, Kwon SH. Usefulness of electronic pressure algometer in evaluation of pressure pain threshold in normal Korean adults. Journal of Korean Academy of Rehabilitation Medicine, 2008. 32: 698-702

Lee YH, Park BN, Kim SH.  The effects of heat and massage application on autonomic nervous system. Yonsei medical journal, 2011. 52: 982-989. doi: 10.3349/ymj.2011.52.6.982

Napadow V., Lee J., Kim J., Cina S., Maeda Y., Barbieri R., Park K. Brain correlates of phasic autonomic response to acupuncture stimulation: an event-related fMRI study. Human brain mapping, 2013. 34: 2592-2606. doi: 10.1002/hbm.22091

Niddam DM, Chan RC, Lee SH, Yeh TC, Hsieh JC. Central modulation of pain evoked from myofascial trigger point The Clinical journal of pain, 2007. 23: 440-448. doi: 10.1097/AJP.0b013e318058accb

Perreault T, Dunning J, Butts R. Myofascial pain and treatment: narrative review - The local twitch response during trigger point dry needling: Is it necessary for successful outcomes?
Journal of Bodywork and Movement Therapies 2017. 21: 940-947

Sakai S, Hori E, Umeno K, Kitabayashi N, Ono T, Nishijo H. Specific acupuncture sensation correlates with EEGs and autonomic changes in human subjects. Autonomic neuroscience : basic & clinical, 2007. 133: 158-169. doi: 10.1016/j.autneu.2007.01.001

Shah JP, Gilliams EA. Uncovering the biochemical milieu of myofascial trigger points using in vivo microdialysis: an application of muscle pain concepts to myofascial pain syndrome. Journal of bodywork and movement therapies, 2008. 12: 371–384

Tekin L, Akarsu S, Durmus O, Cakar E, Dincer U, Kiralp MZ. The effect of dry needling in the treatment of myofascial pain syndrome: a randomized double-blinded placebo-controlled trial. Clinical rheumatology, 2013. 32: 309-315. doi: 10.1007/s10067-012-2112-3

Tough EA, White AR, Cummings TM, Richards SH, Campbell JL. Acupuncture and dry needling in the management of myofascial trigger point pain: a systematic review and meta-analysis randomised controlled trials European journal of pain, 2009. 13:3-10. doi: 10.1016/j.ejpain.2008.02.006

Travell JG, Simons DG. Myofascial Pain and Dysfunction: The trigger point manual, Vol 1. Baltimore MD: Williams and Wilkins; 1992

Vetrugno R, Liguori R, Cortelli P, Montagna P. Sympathetic skin response: basic mechanisms and clinical applications. Clinical autonomic research, 2003. 13: 256-270. doi: 10.1007/s10286-003-0107-5